Alergia no olho: principais causas e tratamentos indicados

alergia-no-olho (1)

Por ser uma região sensível, a alergia no olho é bastante comum e as causas são diversas. Por isso, é extremamente importante que as pessoas tenham cuidados redobrados para que a área fique protegida e longe dessas manifestações alérgicas.

Apesar da grande parte das alergias não trazerem grandes danos, é necessário sempre fazer uma autoanálise e, caso exista alguma anormalidade, o médico deve ser consultado.

Além disso, segundo o dr André Aguiar Gauderer, Alergista no Rio de Janeiro, algumas alergias podem ser confundidas com a conjuntivite, que apresentam sintomas semelhantes, mas as causas são distintas.

Para ajudar na diferenciação e também na identificação dos sintomas, o presente artigo aprofundará e mostrará detalhes sobre as causas, prevenção e também alguns tratamentos que podem ser utilizados.

Quais são as causas da alergia no olho?

De um modo geral, a alergia no olho tem uma maior incidência em pessoas que já possuem alguma alergia respiratória, como rinite, asma e sinusite. Mas é bom ressaltar que qualquer um está sujeito a sofrer alguma reação alérgica nesta região.

Antes de apresentar as principais causas, é bom entender que a alergia ocular consiste em uma reação do olho ou da região, após o contato com alguma substância que apresenta um alto poder de irritação ou inflamação.

Entre as causas mais comuns, pode-se citar:

  • Picadas de insetos;
  • Higienização inadequada. O ato de passar as mãos nos olhos podem causar algum tipo de irritação caso elas estejam sujas ou com resquícios de algum produto capaz de causar algum dano à região;
  • Uso de maquiagens que estejam fora do prazo de validade ou que não sejam recomendadas para o tipo de pele em que ela será aplicada;
  • Frequentar ou residir em ambientes em que o mofo se faz presente;
  • Consumo de alguns alimentos;
  • Fumaça de cigarro, pólen ou cheiros fortes como perfumes e até alguns tipos de incensos;

Não se deve esquecer também que, em muitos casos, a alergia no olho pode ocorrer devido à automedicação. Algumas pessoas acabam utilizando colírios e outros produtos quando notam a presença de algum sinal estranho, mas esta ação é um erro grave. Somente um médico tem a capacidade de identificar o problema e passar a medicação correta a ser utilizada.

Principais sintomas

Os sintomas são múltiplos e cada paciente pode apresentar quadros diferentes. Porém, geralmente, os pacientes chegam ao consultório com sintomas semelhantes e que envolvem alergias nas pálpebras e demais regiões próximas do olho.

Entre os problemas encontrados, pode-se citar a vermelhidão, prurido (coceira), leve ou moderada sensação de ardência, olhos lacrimejando, secreção, sensação de areia nos olhos e vista embaçada.

Estes sintomas também são encontrados em casos de conjuntivite, por isso o diagnóstico deve ser feito pelo oftalmologista. Ele fará uma anamnese e realizará uma análise clínica para identificar a causa do problema.

Caso seja necessário, alguns exames serão solicitados, mas quase sempre o problema é identificado durante a consulta. O importante é que o paciente tenha o tratamento e o acompanhamento adequado.

Qual a diferença entre alergia no olho e conjuntivite?

Como explicado, a alergia no olho é causada pelo contato da região ocular com substâncias que não são bem recebidas pelo organismo.

A conjuntivite infecciosa tem como causa principal uma infecção que é gerada por uma bactéria ou vírus que se instala no olho, ocasionando irritação, secreção e até dor. Além disso, ela é considerada invasiva e contagiosa.

Ambas as ocorrências necessitam de cuidados médicos e, no caso da conjuntivite infecciosa, é preciso que outras pessoas evitem o contato direto com as secreções oculares para que o contágio não aconteça.

Tipos de alergia no olho e suas características

Sabendo que as causas da alergia no olho são distintas, então fica evidente que é possível encontrar diferentes tipos. Elas podem apresentar características diferentes, sendo essa diferenciação essencial para a identificação do tratamento adequado.

Abaixo estão os tipos mais comuns:

· Conjuntivite alérgica

Diferentemente da conjuntivite infecciosa, a alérgica é causada pelo contato do olho ou região com um elemento externo como poeira, mofo, produtos químicos, sujeira e outros.

O corpo então reage a esse contato e causa os sintomas que são vermelhidão, coceira e até uma secreção clara, consistente e com baixa quantidade quando comparada com a infecciosa.

· Alergia na pálpebra por dermatite de contato

Este tipo de alergia ocorre quando uma pessoa toca em uma superfície ou produto que apresenta uma substância que tem o poder de agredir a pele e leva a mão até a região da pálpebra.

Por ser uma região fina, a absorção do alérgeno ocorre de forma fácil. É recorrente o caso de mulheres que apresentam este tipo de alergia ao utilizarem alguns tipos de maquiagens ou então pelo contato do esmalte de unha.

· Angioedema ocular

Angioedema é caracterizado por inchaços nas regiões mais finas da pele, como escroto, lábios e os olhos, sendo o último chamado de Angioedema Ocular. As causas são semelhantes aos demais tipos de alergias nos olhos.

O paciente tem o contato com alguma substância alérgena que acaba não sendo bem recebida pelo organismo. No caso do Angioedema Ocular, é comum que a causa seja o uso de alguns tipos de medicamentos sem prescrição médica.

Principais tratamentos

Os tratamentos dependem do tipo de alergia encontrada e também das condições de cada paciente. Um ponto de alerta é que mesmo tendo sintomas parecidos, o tratamento para conjuntivite é diferente do aplicado nos casos comuns de alergia no olho.

Para as conjuntivites infecciosas são indicados tratamentos a base de antibióticos e anti-inflamatórios. Essas ações são feitas para que o vírus ou a bactéria que se encontra na região do olho sejam eliminados.

Agora, em alergias causadas por substâncias alérgenas, o médico costuma indicar o uso de medicamentos antialérgicos. Eles atuam na diminuição da irritação e fazem com que a região seja restabelecida.

Mas é claro que cada caso pode apresentar características diferentes, fazendo com que o tratamento seja modificado.

Como prevenir a alergia no olho?

A melhor forma de evitar a alergia é a prevenção. Diante de tantos fatores que podem ocasionar o problema, o ideal é que as pessoas passem a ter alguns cuidados diários.

É preciso manter uma boa rotina de higiene das mãos, olhos e também da casa, evitando que o mofo e a poeira possam causar alergia. Também é recomendado utilizar luvas ao manusear algum produto agressivo ao organismo humano e ter cuidado especial com maquiagens e esmaltes de unha.

Por fim, é importante ressaltar que um médico especialista deve ser consultado caso exista alguma anormalidade na região do olho, além de evitar o uso de medicamentos sem prescrição médica.

Gostou? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest